domingo, 5 de dezembro de 2010

talvez fosse para ela...

A menina correu para baixo da marquise. A chuva caia torrencialmente lá fora. Ela tinha saído para caminhar, e agora, enquanto esperava a chuva passar, percebeu na vidraça embaçada do outro lado da rua o desenho de um coração surgindo, desses desenhados pelos apaixonados que vagam na noite. Dentro dele um nome que ela não conseguia decifrar. O outro lado da rua parecia longe demais...

.

Mas ela cansou de esperar, saiu na chuva, atravessou a rua.

Fez isso porque tudo o que queria era caber naquele coração desenhado as pressas, tímido até, mas que atravessara a noite intacto.

Ela queria um coração assim, que durasse até a manhã seguinte...

E queria ler aquele nome.

Talvez fosse o dela.

Talvez.

.

Ficou insegura.

É porque nunca lhe disseram que somos bem menores do que aquilo que sentimos.

.

30 comentários:

  1. Ah.... como eu queria um coração que durasse até o dia seguinte...

    Um coração. Gotas de coração!!!!

    Beijos linda!!^^

    ResponderExcluir
  2. Acho que ela queria não caber no coração de tanto sentir.

    Beijos, flor!

    ResponderExcluir
  3. "...somos bem menores do que aquilo que sentimos."
    Um belo naco de prosa, Solange!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  4. Solange,

    cada imagem uma força de quem sente.

    um coração a sentir, mesmo sem saber o nome é de uma sensibilidade que nem para todos.

    bj

    ResponderExcluir
  5. Que lindo e singelo amiga.....
    Ah com certeza era o nome dela.....rss
    Boa semana querida, beijos.

    ResponderExcluir
  6. Ah, como queria descobrir que estou a uma vidraça do amor.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Ela não sabia que o amor é muito maior que aquele coração...
    O nome dentro?? Não importa, ela é menina de muitas facetas, qualquer nome lhe cairá bem!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Poética sem métrica, livre para atravessar e buscar, pronta para sonhar.

    ResponderExcluir
  9. Engraçado, seu texto foi me levando a essa imagem do coração e pensei o quanto corremos atrás de um coração. Um coração que não suma.
    Com o tempo vamos aprendendo que corações apenas acontecem e na verdade, sempre, inevitávelmente eles duram o tempo que precisam dou devam durar. Não depende de nós!

    texto para refletir!

    beijo grande

    ResponderExcluir
  10. Sol,

    Em dias de chuva eu também me ponho a sonhar... Bjs

    ResponderExcluir
  11. Minha querida

    Um texto profundo, mas escrito com tanta ternura, adorei.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  12. É sempre nessas horas que bate a insegurança.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  13. Oi Solange, qto tempo...

    Moro no interior de SP né, faço show aqui pelas redondezas, entre São João da Boa Vista e Poços de Caldas...

    Seria bem bacana vc na platéia viu!!!

    Boa semana...

    bjo.

    ResponderExcluir
  14. Lindo e apaixonante!
    Adorei.
    Boa semana para ti!
    Beijinhos, Solange

    ResponderExcluir
  15. Lindo o post! Super perfeitinhoo! Amei!


    Bjinhos

    Obrigada pelo coment!

    ótima semana pra vc!

    ResponderExcluir
  16. Profundo realmente
    não somos nada do que sentimos
    ou as vezes nem sabemos explicar
    o que sentimos
    nada é exato no amor
    amei aqui e tudo que amo guardo
    pra não perder...
    até mais

    ResponderExcluir
  17. Fico encantada com os teus textos, Sol. Não sei comentar mais não! rs

    ResponderExcluir
  18. Que lindo ! Quantos gestos tímidos e discretos desenham uma paixão ?

    ResponderExcluir
  19. O que eu li foi cena de filme para os meus olhos. Que lindo!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. É o tipo da coisa que não cabe em si... Tem texto novo no Sub Mundos. Bjs.

    http://submundosemmim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Eu desenho muitos desses corações ^^/

    E sempre tem o mesmo nome dentro dele, e acho que sempre vai estar. Passando o tempo que for....

    ResponderExcluir
  22. Belo poema! Adorei o último verso: "É porque nunca lhe disseram que somos bem menores do que aquilo que sentimos" e nunca sentiu a angústia de saber que sempre podemos ser melhor.

    Ann Nothing lhe aguarda!
    Abz.

    ResponderExcluir
  23. Oii, tem jogo lá no meu blog pra você!

    Beijoos

    ResponderExcluir
  24. "Ficou insegura.
    É porque nunca lhe disseram que somos bem menores do que aquilo que sentimos."

    sempre bem menores , afinal "somos grandes pra entender, mas pequenos pra opinar"

    :)

    ResponderExcluir
  25. Será que somos realmente menores?

    Pois penso, se isto fosse verdade, não nos entregariamos ao sentimento...

    Fique com Deus, menina Solange Maia.
    Um abraço.

    ResponderExcluir