quarta-feira, 11 de março de 2009

Contramão da Liberdade

Não sei dizer exatamente quando comecei a me desapegar das coisas.
Só sei que cada vez mais quero menos.

Acho toda posse temporária.
Não há nada mais triste do que ter que ter.
É muito mais um compromisso com o outro do que com a gente mesmo. É a fragilidade que nos antecede, é a exposição gratuita, a insegurança que não se consegue ocultar.

Não quero mais reter, acumular ou guardar.
Sem descuidos ou distanciamentos, mas acho que guardar é a contramão da liberdade, e quero urgentemente o despojamento dos bons, a autonomia de quem já aprendeu que compartilhar é aumentar, que dar é potencializar.

Afinal, guarda-se somente o que não se têm.
Preciso esvaziar para me sentir cheia.

41 comentários:

  1. guarda-se somente oq nao se tem ... vou pensar nisso.

    bjos

    ResponderExcluir
  2. A sabedoria desse texto é imensa. Já acumulaei muita coisa na vida, coleções de bobagens, muito dinheiro para as épocas em que ele faltaria (atraindo a falta!) e vivi só o futuro que não existia ainda, deixando o presente estéril. Ter que ter é triste mesmo. E, não raro, resulta em nada ter! Esse seu blog é o máximo!

    ResponderExcluir
  3. Você mais uma vez me fez pensar e tentar rever meus conceitos. "Guarda-se somente o que não se tem..." Isso vale pro amor também? Acho que sim. Acho que também preciso me esvaziar...

    ResponderExcluir
  4. Pôxa...

    É tão difícil fazer isso. Requer elevação espiritual, percepção madura da vida... será que estou pronta?

    Não refiro-me a bens materiais. Mas a amor, pessoas... é sempre mais complicado.

    Obrigada pela reflexão.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Quanto menos se TEM, mais se POSSUI.. =)
    Lindo texto.
    Linda atitude.
    Bjusss, flor!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Não existe Vácuo verdadeiro.

    Bjos com ternura.

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo...bem reflexivo.
    Chega um momento em que percebemos que não somos só nós - não sei se passamos a desejar menos ou se observamos que é preciso muito pouco pra sermos felizes - percebemos que não é a roupa mais cara, o carro do ano, ter sempre mais e mais...que vai dar essa satisfação interior que procuramos e que até então nem sabíamos...descobrimos que essa satisfação vem das coisas simples, não coisas materiais, mas o lado espiritual/emocional falando mais forte... acho que só com a maturidade mesmo esses questionamentos afloram...tudo vem no tempo certo...o importante é não deixarmos passar essa oportunidade de crescermos mais espiritualmente.

    Bom dia pra vc,
    bjos!

    ResponderExcluir
  8. Todas as vezes que faço essa "viagem", ela é acrescida da fantasia de "ir andando...ir andando...ir andando..."
    Até que lembro dos meus filhos e dos meus livros; aí a "viagem" pára na hora, pois quero estar disponível para os primeiros, e que os demais continuem disponíveis para mim.
    Well, acho que vou vender tudo e comprar um trailler, que possa receber meus filhos, e carregar os livros; e "irei andando...irei andando...irei andando..." rsrsrsrs
    BJS!

    ResponderExcluir
  9. Oi Solange! Adorei seu blog também, parabéns pelos posts tão bonitos.
    Vou passar a acompanhá-lo.
    E você também se sinta a vontade pra me visitar sempre que desejar.
    Beijoos

    ResponderExcluir
  10. Bonito texto...faz a gente refletir.
    Abraços,
    Helen

    ResponderExcluir
  11. Querida, parabéns pelo Blog e obrigado por visitar o meu Candylife também. Tenho o Boogielife que apavoro com o mundo do showbusiness já que sou, além de diabético, fan da Madonna - ha muito mais tempo. Beijinho e apareça sempre. e=)

    ResponderExcluir
  12. Já fiz este exercício, tem um ano, moro num lugar onde tenho somente o extremamente necessário. Desde lá me sinto muito melhor, sem receios, mais feliz. A melhor vitória? Não tenho mais TV desde então!
    Ah! Eu tinha TUDO (materiais) mas não tinha amigos, família (gente).
    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Oi Solange! Nossa adorei é bem por ai mesmo, acredito que muitas vezes queremos muito mais "ter" para provar para alguém ou para a sociedade que nos cerca - que "somos" - através do que temos. Acho que isso é enraizado dentro dos seres humanos e libertar-se disso é um longo aprendizado e um longo processo, mas creio que cada dia é uma nova oportunidade para tentarmos. E quem já conseguiu está de parabéns, pois esse é mesmo um caminho mais leve!
    Beijos!
    Dani

    ResponderExcluir
  14. boo!

    Na próxima terça-feira, dia 17 de março, vamos fazer uma balada pro lançamento do Sistema de Publicidade boo-box e você está na nossa lista de convidados :)

    Teremos atrações maneiríssimas divididas nos dois ambientes da balada: light graffiti, Guitar Hero, batalha de iPods. Leve seu iPod lotado de munição dançante!

    Além da batalha de iPods o som da festa será comandado por um DJ bastante conhecido no Twitter.

    O evento será terça-feira, dia 17 de março, na região da av Paulista (metrô Consolação), às 21h, sua presença é importante!

    Pode, por favor, confirmar sua presença?

    Obrigado :)

    pedro@boo-box.com

    ResponderExcluir
  15. Linda, e muito bom este post. Realmente a sua entrada me dá ótimas vibrações e este verdinho lembra o meu blog.

    Um beijo querida

    ResponderExcluir
  16. é que as vezes estamos acostumados a guardas certas coisas e agir de algumas formas, sem parar pra pensar o que nosso coração realmente quer ter.

    Escreveste divinamente!

    beijos :*

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Olá Solange,
    Como sempre com palavras lindas. PARABÉNS!
    Temos três tipos de coisas na vida: O essencial, o Importante e o Periférico.
    O essencial é aquele que não podemos viver sem, de maneira nenhuma, é o que dá a vida... o essencial é Deus;
    O Importante é presente em nossa vida, mas mesmo que nos falte ainda é possível viver sem pois ainda há o essencial... Pessoas são importantes;
    O Periférico é aquilo que passa em nossas vidas mas não fazem muita diferença.
    Devemos nos desapegar das coisas periféricas, compreender e aceitar a vida sem muitas coisas importantes, mas nunca perder o referencial... sempre nos lembrarmos da essência da vida: Deus que é amor e nos dá a vida de presente!

    Qual o seu essencial?

    beijos ;-)

    ResponderExcluir
  19. ...perfeito!

    você é uma lindaaa!!

    bj

    ResponderExcluir
  20. Assim como o oceano só é belo com o luar
    Assim como a canção só tem razão se cantar
    Assim como uma nuvem só acontece se chover
    Assim como o poeta só é grande se sofrer
    Assim como viver sem ter amor não é viver

    (Vinícius De Moraes/tom Jobim)

    Desejo a voce um resto de semana maravilhoso
    Abraços. Eduardo Poisl

    ResponderExcluir
  21. Solange,
    gostei da sua verdade e, especialmente, do modo como a expressa! Também do modo como me fez recordar o odor a eucalipto que me vem da pátria distante...
    Farei obrigatoriamente uma ligação para este sítio!
    Felicidades!

    ResponderExcluir
  22. Não aprecio a voz da mulher do presidente. Prefiro Camille. Experimente ouvir!

    ResponderExcluir
  23. Acho que preciso me esvaziar também, assim sempre inciará um novo começo. Ótimo texto!

    Beijooooooos...

    ResponderExcluir
  24. Eis aí uma postagem que deveria estar sendo lida por um carro de som.
    Pelas cidades.
    Estou a tentar.
    Mas confesso que a primeira coisa a jogar fora, é a pseudo impressão que tenho de mim .
    Hoje quero também até liberdades que carecem de certa coragem.
    Mas primeiro por dentro.
    Isso que você coloca é urgente e prá todos!
    Vamos né? Separar joio de trigo.
    Vai ficar pouco trigo, mas o necessário.
    Abraço pela sabedoria.

    ResponderExcluir
  25. Oiii
    Ótimo post.
    Me fez pensar...
    Devemos nos apegar somente naquilo que nos é necessário para viver, mas é difícilllll!!!
    Bjus
    JAnini

    ResponderExcluir
  26. É...dificílimo fazer isso, requer treino, diário e ininterrupto...

    ResponderExcluir
  27. Belo treino, mas acho que eu ainda não entrei nessa fase de me desprender..
    heheheheh
    Ótimo texto!!!

    ResponderExcluir
  28. Guardar eu não acho que seja o problema, mas declarar a posse sobre alguém...

    Mas fala sério que acertei sobre o seu post de o amor (e não exatamente sobre o seu filho).

    Fique com Deus, menina Solange.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  29. QUe bom que me achou, SOLange. Teus texto iluminaram meu dia.

    Estou aprendendo a guardar somente as coisas boas, pois as ruins ocupam muito espaço.

    Lindo pensamento-texto.

    BeijO

    ResponderExcluir
  30. Solange,
    Lindo texto.
    Vamos acumulando coisas que nem usaremos, e chegamos a nos perder no meio delas.
    É preciso simplificar, é preciso reduzir nossas necessidades.
    Beijos

    ResponderExcluir
  31. Quando percebemos o grande sentido do desapego ficamos mais leves.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  32. Gostei, guarda-se apenas o que não se tem. Amei isso aqui. Parabéns e obrigado por acrescentar tanto a mim.
    Beijos

    ResponderExcluir
  33. Solange, gostei imensamente da tua escrita.
    Obrigada pela visita e pelo comentário no meu blog, não ando postando por falta de tempo (o mal do século), mas com certeza seguirei de perto os teus textos.

    Acredito que desapegando-se, retendo menos, possuindo menos, ficamos mais leves, mais livres. É provável que você se surpreenda, vendo-se ressurgir de baixo dos excessos deixados de lado.

    Beijos enluarados!

    ResponderExcluir
  34. é verdade amiga
    não somos donos de nada
    nem o corpo levamos
    toda posse é realmente temporária
    então o que nos resta é ficar leves
    Só a alma pode ser grande
    Beijos de boa noite

    ResponderExcluir
  35. Primeiramente, quero dizer que fiquei muito feliz com a sua visita, e é muito gratificante ter você como leitora, já linkei seu blog, e estarei sempre por aqui!

    Depois, creio que vc tem total razão! O "ter que ter" é algo que às vezes nos faz fugir dos limites aceitáveis! A sociedade nos impõe regras que torna-nos robôs insensíveis aos reais valores do ser humano, e faz com que nos apeguemos às posses e mais que isso, à necessidade de demonstrar ao mundo essas posses!

    Seu texto foi muito pertinente, parabéns!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  36. oieeeee
    obrigada pelo carinho
    foi por isso que resolvi fazer um blog mas com poucas pessoas lendo...
    se vc tiver interesse em continuar lendo sobre a Docinho
    mande teu e-mail para
    docinh848@gmail.com


    Bjinhos docinhos

    ResponderExcluir
  37. Neste mundo tão capitalista, o que mais presenciamos é o consumismo. Muitas vezes não é preciso e não é necessário.. são coisas com quais você poderia viver sem!
    " ter por ter " é realmente uma questão que vem almentando nesses ultimos dias e é sempre gratificante quando vemos que tem gente simples e humilde.

    ResponderExcluir
  38. Oi Solange! Tudo bom?

    Desculpe a demora em visita-la viu? Passei um tempinho longe mas estou de volta!

    Gostei muito desse texto.
    Sou muito um confesso materialista com as coisas que gosto, mas tenho aprendido o a prática do desapego aos poucos...

    Na verdade o que quero mesmo são as coisas simples da vida... E nessas é que tenho me apegado. aos meus desejos e aos meus hobbies sabe?

    Mas algumas coisas tem de ser trabalhadas ainda...rsrsrs

    Gostei muito!
    Ganhou um leitor viu?

    Abração!

    ResponderExcluir
  39. Tem um presente pra vc lá no blog! Passa lá...abraços e bom findi :)

    ResponderExcluir
  40. Minha querida,
    excelente texto reflexivo..tenho andado a pensar muito sobre isso também sabe quando?
    Quando tive tanto que tudo podia comprar e nem dava valor... agora que nada tenho e sofro porque há coisas que preciso para a saúde do meu filho mas batalho muito para poder conseguir o indispensável apenas e mesmo assim ainda posso passar sem comer uma vez ou outra se precisar dar de comer a quem precisa mais que eu.
    Posso dizer que para quem viveu em palacete , teve Jaguar motorista etc...mudei...muito...e digo de verdade...voltaria a fazer o mesmo sem arrependimentos de largar tudo pelo amor ao meu filho.
    Fiquei sem nada disso tudo e tenho muito mais...a vida dele.
    Quando recordo os dias que ia aos "Champs Elysées em Paris" comprar os meus vestidos e casacos e o motorista os carregava...e hoje que visto roupas com mais de 10 anos...não me arrependo...e sabe minha amiga querida...quando me dizem como eu mudei... eu respondo que a minha roupinha é cheirosa paga e lavada isso sim é importante para mim...o resto? É pura ilusão!
    Por isso compreendi e senti esse seu texto em toda a sua essência e vc está certa em tudo amiga é isso mesmo.
    beijinhos meus com carinho

    ResponderExcluir
  41. Hum, meio complexo, pois cada vez que temos, ou queremos, algo declaramos posse, mesmo em contra partida, quando essa posse é viva, ela quer declaremos a nossa posse...

    Vai dizer que no gosta de dizer aquele que você ama "meu amor"?

    Fique com Deus, menina Solange.
    Um abraço.

    ResponderExcluir