sexta-feira, 25 de maio de 2012

quando comer é provocar...


No caminho do escritório passo por um simpático bistrô onde se lê na fachada “cozinha afetiva”.
É uma das minhas paisagens preferidas. Não pelo lugar propriamente dito, porque ainda nunca entrei. Mas pela palavra. Não resisto a essas palavras soltas que nos levam com elas. Passo por ali fantasiando sabores nascidos de uma decisão de amor, imagino-me degustando uma carícia, e ela deslizando boca adentro. Dessas fomes que não se quer matar.
Na cozinha daquele bistrô deve acontecer a realização culinária de um sonho, a fusão do fogo, da cuia, da concha, das facas, da noz, o gengibre, a pimenta...
Tudo para se perder na geografia dos lábios, da língua, para penetrar nas vísceras, e, finalmente na alma.

Lembro de Rubem Alves dizendo que matar a fome é fácil, qualquer angu com feijão faz isso, mas numa cozinha como essa, o objetivo não é matar a fome, é o contrário: pretende-se provocá-la.
.
.
(fotografia clicada hoje cedo - http://www.cafeambrosio.com.br/)

8 comentários:

  1. Ola Solange!
    Imagine o que pode ser feito em uma cozinha assim, liberando o liquidificador de emoções (como diria cazuza), fazendo o amor ferver, nada de banho-maria, rsrsrsrsr...

    Muito legal!

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  2. Fiquei com água na boca...
    Bjs,

    ResponderExcluir
  3. Provocar,ver onde essa fome vai nos levar,se algum dia pretende saciar alguma vontade do alma.
    Adoro o jeito como vc escreve!
    abraço e um bom fim de semana,=)

    ResponderExcluir
  4. SOLANGE,

    "quando comer é provocar",funcionou como uma inevitável forma de alimentar os meus mais inconfessáveis, desvios das minhas percepções mórbidas.

    Certas provocações, de certos textos seus,são tão elegantes e de uma sensualidade absolutamente tão nobres que, me fazem pensar que sou, irrediavelmente, um bárbaro visigodo do amor.

    Destes selvagens rudes,que entre os gregos e romanos eram denominados os estrangeiros.

    Veja no que transformei sua ingênua referência àquela cozinha daquele bistrô,no qual abundam fogo, gengibre e pimenta!

    Esquentou!

    Mas, Solange, "bárbaro" também é uma interjeição e nesse caso,tenho ouvido muito por aí, essa aqui:

    "Nossa, assim você me mata!"

    Enfim, tudo isso, junto e misturado.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  5. Passo para dar um curtir! rsrs

    bju gde

    ResponderExcluir
  6. É sempre pelos corpos que nos unimos à alma do outro!

    ResponderExcluir