domingo, 24 de janeiro de 2010

e agora sinto falta

Um dia escolhi esse amor sereno,

de terrenos planos e passos seguros.

Por aqui os dias passam tranqüilos,

sem febres ou paixões, ímpetos ou exaltações.


De felicidades delicadas e pés no chão.

Uma história sem grandes sobressaltos,

que vale em cada abraço e em cada fruto.

Cumplicidade de longa data e de muita construção.


Mas a paz, que reina nesse lado do amor,

desenha seus caprichos entre espaços e silêncios,

e : sim, sou mulher de febres.

Tenho tudo isso,

e agora sinto falta dos meus vulcões.

34 comentários:

  1. Querida,
    penso em vc realmente como uma mulher-vulcão, sem nada de calmaria..
    Uma ótima semana,

    ResponderExcluir
  2. Que coisa mais linda.
    Abraço terno,
    Claudia

    ResponderExcluir
  3. Bonito a forma como escreveste...espaços e silêncios...isso tem seu lado bom, mas, como tudo na vida existe um outro lado também...
    Existe um rio, sempre querendo alcançar o mar...
    Um abraço na alma...bjo

    ResponderExcluir
  4. .....................
    sim, sou mulher de febres.

    Tenho tudo isso,

    e agora sinto falta dos meus vulcões.

    DISSESTES TUDO!!!

    ResponderExcluir
  5. Putz! Você escreveu tudo que estou sentindo!
    Mas, não perdi a esperança...

    As esperanças que crio são grandes sim, pois prefiro cair do alto e me machucar do que cair do baixo e me machucar também, sem ter tentado com todas as minhas forças e olhando bem do alto todo o encantamento e FELICIDADE que posso ganhar!

    Boa semana!

    Abração da Luciana (Catadora de Palavras)

    ResponderExcluir
  6. Maravilha!beijos,linda semana,chica

    ResponderExcluir
  7. Humm...direto no ponto!
    Lindo! Lindo! Lindo!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Muito bonito. Já disse num poema. 'De vez em quando é preciso explodir um vulcão.Ainda que seja momentãneo'. Beijos e ótima semana.
    //////
    Atenção: Você foi citado(a) no meu blog e tem direito de resposta

    ResponderExcluir
  9. So querida, os vulcões são imprevisíveis e sempre causam danos indiscriminados. Então, nem sempre a escolha por um vulcão é a melhor opção.

    ... prefiro sua primeira escolha, aquele do amor sereno. Jogando uma pimentinha pode esquentar mais que um vulcão.

    bjsss

    ResponderExcluir
  10. Ser uma mulher de febre
    é, de fato,
    sentir falta dos vulcões...

    Lindo, Sol!

    Beijo,
    doce de lira

    ResponderExcluir
  11. "Sim, sou mulher de febres."
    Maravilha!

    ResponderExcluir
  12. Acho melhor a força de um vulcao feminino, sempre! Bjus.

    http://submundosemmim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. uma mulher de febres, quereres e sentidos.
    visceral, acho que toda mulher é um pouco assim.

    beijos!

    ResponderExcluir
  14. Maravilhoso! Essa calma e confiança que o amor maduro tras,é tão light...Sereno...Daí sentimos falta do fogo da paixão. rs...Aquela pimenta ardente que nos tira do chão. Muito lindo como tudo que você escreve. Parabéns,adorei! bjs

    ResponderExcluir
  15. Muito lindo esse texto, Me encantei não só com ele, com o blog inteiro... Menina tu tens uma cabeça cheia de idéias. E nos transmite todos esses sentimentos através de palavras.

    Bjs, tu és fantástica!

    ResponderExcluir
  16. estou realmente encantado com sua poesia, a levesa com que descreves esse sentimento passa de uma maneira serena e verdadeira, fico lisongiado ao receber um elogio daqueles de uma tao incrivel poetisa.

    muito obrigado pela visita!
    aos poucos lerei todos seus versos..
    (:

    ResponderExcluir
  17. Deixa esse amor te invadir e orientar o teu rumo.
    Deixa ele tomar prumo.
    E arrumar a tua casa,
    '... Deixa ele bater asas.
    E sair pra voar...
    Deixa ele se tornar um longo abraço de aeroporto.
    Ou um molhado beijo antes do embarque.
    Deixa que ele seja o amor antes da guerra.
    O choro antes do riso.
    Depois,
    deixa pra lá...’

    Lindo o teu texto, Parabéns!
    mesmo, bj grande e sincero.

    ResponderExcluir
  18. Parabéns pelo poema, riquíssimo.!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  19. Oi Solange!
    Passei de novo só prá agradecer as palavras carinhosas e dizer que vocês também fazem parte de minha vida! A primeiracoisa que faço ao acordar e ver se tem novidades aqui e na Bebela!
    Adorei o convite e adoraria tomar um café com você!

    ResponderExcluir
  20. Lindo poema para contar uma história tão verdadeira.
    Já vivi essa paz. Sentia falta da aventura.
    Agora encontrei quem aceita viver os dois comigo, com seus riscos e surpresas.
    É mais difícil ... porque é mais verdadeiro.

    ResponderExcluir
  21. Temperaturas e cheiros de eucaliptos.Amei!
    :)

    ResponderExcluir
  22. Olá, adorei o texto ^^
    to te seguindo, viu?!
    bjinhos.

    ResponderExcluir
  23. Pois é Sô...
    Quem é vulcão, nunca deixa de sê-lo!!!

    Apenas sente-se falta deles, pois andam adormecidos... Mas um dia entram em erupção de novo...

    Estou com saudades dos meus!!!


    Tem selinho para vc no Dama das Águas...

    bjão

    ResponderExcluir
  24. já houve tempos em minha vida em que a planície e a brisa não me bastavam...mudei de rumo e me atirei no olho do furacão. a emoção de ver os cabelos voando e de ter a vista embaçada pelo vento. de perceber a paisagem mudar aos piscar dos olhos...como dunas de areia...e a noite virar dia e o dia virar noite.
    emoção demais cansa.
    senti saudade da planicie e do mar de águas calmas.
    mas não esqueço das emoçoes que vivi.

    ResponderExcluir
  25. as vezes tapo a boca dos meus vulcoes com a mao , e eles explodem na cara de quem eu nao queria . rs . brincadeira , mas...vulcoes sao caracteristicos do planeta marte . beijos

    ResponderExcluir
  26. É música em acordes melodiosos tais sentimentos. Alguns dissonantes, tensos como trítonos que exigem frenéticamente o explodir das paixões.

    Bensãos mil nos teus caminhos Sol.

    Hod.

    ResponderExcluir
  27. parabéns pelo optimo texto!

    identifico-me bastante com ele... é complicado abdicar desses vulcões qd tanto gostamos deles...

    _baci_

    ResponderExcluir
  28. Muito bonita essa exposição e explosão de amor!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  29. A paz e a serenidade às vezes cansam. Assim como os vulcões às vezes esquentam demais da conta... Precisamos dosá-los concorda?

    Saudade de suas visitas!
    Beijos no core!
    Layla Barlavento
    culpadowalter.blogspot.com

    ResponderExcluir
  30. Então faça este vulcão entrar erupção menina, mas com o mesmo amado.

    Fique com Deus, menina Solange Maia.
    Um abraço.

    ResponderExcluir