sábado, 14 de julho de 2012

segredo...

Não sei se as pessoas viam o que eu via.
Mas ele era um homem para escutar, e para acolher.
Além daquele mistério ácido e do olhar enviesado, tinha alguma coisa bonita que o permeava, uma doçura embaixo da pele.
Os outros não sei, mas eu sabia me encontrar com ele.

E, nas horas oníricas que eram nossas, não havia posse,
nem regras, nem nome.
Alguma coisa nele era minha. De mais ninguém.
Talvez fossem as palavras, que como chaves iam nos abrindo, que como chaves iam nos guardando.
Não sei. Só sei que esse segredo me punha um sorriso vasto no rosto.
Porque o que os outros sabiam, era a história dele,
todo o resto, era só meu.
.

14 comentários:

  1. Ah, mas que bem, Solange! As suas palavras são tremenda sedução.

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Solange. Bom demais quando o encontro é tão pessoal e particular, tão íntimo e cúmplice.
    Ser do amor, entregar-se a ele, não tem tempo, momento que o defina e nem espaço.
    Beijos na alma, e fique na paz!

    ResponderExcluir
  3. Sol,

    Hoje, eu quero te ler silenciosamente e poder adormecer, em oração, para que o teu mundo seja só alegria.Bjs

    ResponderExcluir
  4. Ahh Sô....

    não tenho outra forma de descrever..
    você sussurou esse poema eu meu ouvido,
    e me fez arrepiar até a alma.

    bjs.Sol

    ResponderExcluir
  5. Un sentimiento real es como dormir y estar con insomnio. Un amor real es como vivir en aeropuertos !!

    Te abrazo, mucho.

    Todo !!

    ResponderExcluir
  6. E que conhecimento e felicidade se pode ter a dois... aninhados um no outro!

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  7. Amei! Sei como é todo esse sentimento!
    Vc invade as entranhas com suas palavras.
    bj

    ResponderExcluir
  8. E então ele respondeu-lhe, enquanto via as estrelas na janela grande: "Durante o dia há pessoas que me roubam de ti, que me cercam de vozes, de sorrisos, que me dão palmadas nas costas. Que caminham ao meu lado e se sentam à mesa à minha frente. Fazem movimentos com os lábios, meneiam a cabeça, exigem o meu olhar. Mas à noite recupero-te. Sei como voltar para ti. Também eu gosto de luzinhas de natal todo o ano".

    Como quem borda a ponto-luz um caminho na noite - por onde deslizam os pensamentos - assim nos levas suspensos dessa alma e desse coração tão delicados que são os teus. Lindo.

    ResponderExcluir
  9. Segredos são segredos , mas como escreve bem esse anônimo aí em cima hein.beijos Soli

    ResponderExcluir
  10. OI SOLANGE,

    podes crer, homem quando senta no botequim e começa a contar suas conquistas, mente mais do que político em véspera de eleição.

    Raça, terrível!

    O história dele , nem queiras saber,porém a parte que te coube neste latifundo dos desvarios e basófias do predador, é a verdade.

    E afinal,com este vasto sorriso no rosto,estamos é conversados,concorda?

    O resto, deixa ficar!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  11. Que saudade de sua escrita! Amei. Fechei o Perplexidade e agora tô tentando voltar... meio "assim-assim" num momento esquisito da vida... mas vamos lá...
    Um beijo.
    PS: Sua 'prosa e verso'... cada dia mais sensível.

    ResponderExcluir