domingo, 16 de agosto de 2009

Dessas Mulheres

minha avó paterna . . . . . . . . . . . . . minha avó materna

Bonito pensar que foi dessas mulheres que eu vim.
Dos filhos que elas geraram, do encontro que eles tiveram, da alquimia desse amor.
De uma herdei os olhos pensantes, da outra a alma de ventania.
Das duas minha urgência em ser feliz.

Mulheres fortes, cada qual ao seu modo.
Com estoque de existência e sonhos.
Uma aqui, outra lá.
Mas o certo é que habitam em mim, as duas.

Delas trago esse viver que é quase súplica.
Essa vulnerabilidade por tudo que é metade.
Essa rendição.


Delas aprendi a querer a vida por inteiro.

36 comentários:

  1. Memória identidade, memória que é vida!
    Pois sabemos que o dia de ser feliz, é hoje.
    E ficamos atados no ontem que sim, é belo como agora em teu texto.
    Memória das boas, daquelas que formam a nossa identidade.
    Mas não um passado mórbido que precisaria dar espaço na memória para aquilo que nos acrescente.
    Há prisões de um passado remoto e inútil.
    Aqui está a tua história e isto é vida!

    O futuro é apenas uma perspectiva, um olhar, uma utopia necessária para que nos movamos.
    Mas a tua urgência em ser feliz, é perfeita porque demonstras que sabes que o teu dia, é hoje.
    Lispector dizia o momento já.
    E assim que dizemos já, já passou.

    Então, ser feliz urge.
    Belo texto.
    Aplaudo-te de pé.

    Abraços e boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Filhos feitos de amor. É um desejo genético que não abro mão. Lindo texto!!!!
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Um belo texto. Parabéns pelas palavras escolhidas para construir o seu texto.


    * Vc perguntou do do chá de amora.
    Pode comprar nas casas de produtos naturais. Prefira o chamado Miura, No pacote tem ensinando como faz. Já postei sobre ele. Digita no Google:Chá de amora. Não tem gosto forte e nem sabor especial. Mas os seus cabelos, ah, deixam de cair.
    Beijos.
    Anny.

    ResponderExcluir
  4. Eu gostaria de sentir assim minhas avós.
    Bj

    ResponderExcluir
  5. Momento mágico foi ler esse poema.
    Traz um universo de rara sensibilidade
    e poesia.
    Me remeteu a uma ciranda...
    Me trouxe saudades......
    Lindo.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  6. Quanta delicadeza em descrevê-las...
    E tua admiração por elas é linda, viu!??!
    Beijocas...

    ResponderExcluir
  7. Puxa... Que legais as fotos...

    Boa homenagem!!!

    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Oi, minha Linda! Vc me comoveu.
    Não sei se é pq penso na minha mãe ficando velhinha, na saudade da minha avó....esse texto cheio de ternura, de amor, dessa força herdada por graça e benção. Por vidas que se encontraram e formam tecendo sua história, seu dia de hoje.
    Essas duas garotinhas que nem sabiam que mais a frente, um dia, estariam nesse mundo tão "esquisito e complicado", com suas fotos postadas para uma homenagem linda de uma neta que elas nem sabiam que teriam.
    DEMAIS.
    Comovente e envolvente!

    beijos pra vc

    ResponderExcluir
  9. OLá Solange
    pois é, visitou meu blog num dia pra baixo, auhauhaa. Mas nem sou assim viu.

    Gostei do seu blog
    ja estou te seguindo aqui. Te aguardo lá no meu blog tb.

    Ah, fiz novo post, para apagar a mancha da melancolia, ahauha

    bjão, otima semana

    ResponderExcluir
  10. Lindos versos!
    Eucalipto me lembra infância. Das milhares de vezes que tomei remédio e fiz inalação pra bronquite.
    Lembra também do sítio vizinho à minha tia, plantação de eucaliptos.
    Fotos antigas me lembram isso também.
    De quando a única dificuldade era respirar as vezes e pra isso, o remédio era cheiroso e quentinho.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  11. Que amocionante...

    Uma linda homenagem, para muheres tão maravilhosas..
    Vê-se pelas fotos, o quanto passam segurança e personalidade...


    Que coisa linda, observar o ciclo da vida...


    Gostei muito!


    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. herdou o charme delas?
    as duas de perninhas cruzadas...rs

    ResponderExcluir
  13. Que homenagem bonita!
    Aprendi muito com minha vó...saudades dela...
    Bjos,
    Paulinha

    ResponderExcluir
  14. Legal d= o blog...e a linguagem só sua!

    parabens

    ResponderExcluir
  15. Tão Lindo saber e reconhecer a nossa origem, muita sensiblidade, e quando vc. poetiza teus pensamentos deslizam um sentimento de amor em nossa alma.

    Beijo Lilás em tua SEmana!

    ResponderExcluir
  16. Solange,
    depois de um dia difícil (que tive), vi essa sua msg e não houve 'Cristo' que me impedisse de ficar emocionada. "Delas trago esse viver que é quase súplica". Lindo.
    Bjs.Cynthia

    ResponderExcluir
  17. Que linda e emocionante homenagem Solange!
    Infelizmente não conheci minhas avós, porém mesmo sem conhecê-la era louca por minha avó materna. Um dia visitando meu avô encontrei um baú em seu quarto e adivinha o que encontrei! Retratos, vestidos, cartas enfim, ele guardava todas as coisas dela naquele bauzinho e ficou boquiaberto quando me encontrou vestida com o vestido salmão de minha avó. Eu tinha 8 anos na época e nunca mais me desgrudei das coisas dela. Era como seu a conhecesse e sentia tanto amor por ela.
    Parabéns pelo teu texto tão sublime e singelo!
    Beijos carinhosos para ti e tenha uma linda semana...

    ResponderExcluir
  18. Que blog lindo o seu...

    Estou linkando e seguindo, volterei sempre viu?

    Lindo tudo que li por aqui...

    Bjos..

    ResponderExcluir
  19. Que belas avós!!!
    Lindas e doces suas palavras!
    Amei tudo por aqui e estou levando seus blogs comigo!Deixei recadinho na Bebela!
    Volto logo!
    Beijinhos.
    Otm semaninha!!!

    ResponderExcluir
  20. Lindo isso de ter uma alma composta!
    Adorei aqui.

    Beijo
    :*

    ResponderExcluir
  21. Com que graciosidade
    falou da descendência...

    Ainda bem que a genética não falou!
    E lhe deu
    o que aquelas mulheres já possuíam:
    uma vontade imensa de vida!

    Lindo!
    Um beijo,
    doce de lira

    ResponderExcluir
  22. Reconhecimento é também auto-conhecimento. Tão bonito o que escreveu! Um abraço,
    Claudia

    ResponderExcluir
  23. Belíssima homenagem às vovós.
    Bem merecida.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  24. Me parece que hoje carecemos do encanto dessa época.
    Basta olhar as fotos pra perceber como tudo era mais bonito.
    Isso se perdeu.
    Beijos

    ResponderExcluir
  25. Tenho um encanto IMEEEENSO com meus ancestrais; de alguns sei tão pouco...Mas vou sempre pesquisando...BJS!

    ResponderExcluir
  26. Muito Lindas Fotos. Os pezinhos rs...
    Visite mes Blogs amiga. Tenho um selinho para você no meu novo Blog: Pra Voc~E com Carinho.

    Beijo.

    Jacque

    ResponderExcluir
  27. Curiosa essa tal de genética.
    Até ações que podemos ter são influenciadas por ela.
    Mas é aí que o brilho dos nossos ancestrais continua a pairar.
    Como a gota de orvalho que resta de uma bela chuva.
    Que o campo esteja sempre cheio delas.

    Um beijo, Solange.

    ResponderExcluir
  28. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  29. Solange...
    Eu tb adoro mto isso de memória... Da minha avó paterna eu lembro de mim sentada no colo dela, e ela com um vestido preto de bolinha branca... De minha avó materna a presença dela é mto forte pq morreu em 2002 aos 97 anos...
    Seu texto é lindo Solange, adoro esse seu jeito de escrever...

    OLHA TEM SELO PRÁ VC NO LUA IMAGINADA
    http://luaimaginadapoemas.blogspot.com

    bjão

    ResponderExcluir
  30. Linda, divina poesia !
    Observe na foto que ambas estão em posições físicas parecidas, impressionante !

    bjos

    ResponderExcluir
  31. Exuberante Solange!!

    Referências e identidades!! Reverenciar e Cultuar e até mesmo idolatrar nossos antepassados para jamais cair no esquecimento da gerações futuras, essa é a tônica para tranferir valores e princípios. De que outra forma nos tornamos dinásticos?

    forte abraço e muitas bençãos nesta semana!

    Alôha!! Hod.

    ResponderExcluir
  32. Pow, que massa, você tem foto das tuas avós quando eram crianças?!

    Eu só guardo a imagem da minha avó, sendo que faz tanto tempo que ela se foi...

    Fique com Deus, menina Solange Maia.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  33. Solange,




    Nobre ascendência.






    :)






    Beijos,






    Marcelo.

    ResponderExcluir